Fox PB
Início » Nuvem de poeira ‘Godzilla’: quais os riscos à saúde gerados pelo fenômeno que chega às Américas
Mundo

Nuvem de poeira ‘Godzilla’: quais os riscos à saúde gerados pelo fenômeno que chega às Américas

m sua jornada habitual de milhares de quilômetros do norte da África, partículas de poeira do deserto do Saara já chegaram nesta semana ao sudeste do México e a vários países do Caribe.

Todos os anos, mais de 100 milhões de toneladas de poeira são levadas do deserto pelo vento, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA, e grande parte chega à Europa e à América.

Segundo Olga Mayol, especialista do Instituto de Estudos de Ecossistemas Tropicais da Universidade de Porto Rico, a nuvem atual apresenta as maiores concentrações de partículas de poeira observadas na região no último meio século.

E, embora seja um fenômeno comum, que até tem efeitos benéficos em ecossistemas como o da Amazônia, este torna-se especialmente preocupante devido aos problemas respiratórios relacionados ao novo coronavírus.

Qual é o perigo?

Ao chegar ao território mexicano, o líder da estratégia do governo para a pandemia, Hugo López-Gatell, pediu na quarta-feira à população do sudeste do país que tome medidas de precaução.

As nuvens de poeira geralmente afetam pessoas que já têm doenças respiratórias crônicas, como asma, enfisema ou bronquite crônica, que fazem parte da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

E essas pessoas são mais vulneráveis ​​a complicações se pegarem o novo coronavírus.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) explica que o perigo desse fenômeno “reside no conteúdo de bactérias, vírus, esporos, ferro, mercúrio e pesticidas que a poeira carrega”.

É que os ventos no deserto do norte da África não só levantam a areia, mas coletam poluentes quando passam por áreas desmatadas da região, principalmente de países subsaarianos.

Pessoas com problemas respiratórios ou imunossupressão, que por sua vez são as mais vulneráveis ​​à Covid-19, geralmente são as mais afetadas.

“Casos de ” gripe’=”” persistente=”” ou=”” alergias=”” sem=”” causa=”” aparente=”” são=”” frequentemente=”” mencionados,=”” o=”” que=”” pode=”” ter=”” sido=”” causado=”” pelo=”” contato=”” com=”” partículas=”” de=”” origem=”” biológica=”” presentes=”” nessas=”” névoas”,=”” diz=”” a=”” oms.<=”” p=””>

O que é recomendado fazer?

Homem caminha perto do Castelo de Morro enquanto nuvem de poeira do Saara encobre a cidade de Havana, em Cuba, na quarta-feira (24)  — Foto: Yamil Lage / AFP

Homem caminha perto do Castelo de Morro enquanto nuvem de poeira do Saara encobre a cidade de Havana, em Cuba, na quarta-feira (24) — Foto: Yamil Lage / AFP

Idealmente, evite a exposição prolongada à poeira do Saara. Portanto, a recomendação é permanecer em ambientes fechados quando essas nuvens estiverem presentes.

O maior cuidado deve ser tomado por pessoas que têm problemas como DPOC, bem como por idosos, mulheres grávidas e crianças, diz a OMS.

Ele recomenda o uso de protetores faciais, como máscaras ou um lenço de pano úmido que cubra completamente o nariz e a boca.

“Se você sentir uma sensação de que há um corpo estranho nos olhos, lave-os com água em abundância. É preferível usar água potável, fervida ou clorada. Lave as mãos antes de iniciar o procedimento”, acrescenta a OMS.

Também é importante cobrir as fontes de água (poços, contêineres ou lagoas) para evitar a contaminação. Umedeça o chão antes de varrer para evitar que a poeira seja lançada de volta no ar.

G1

Notícias relacionadas

Árvore de Natal ‘muito cara’ causa escândalo na Sibéria

foxpb

Dólar é cotado a R$ 5,6573 nesta manhã de segunda-feira

foxpb

Depois de afagar China, Bolsonaro recebe Huawei

foxpb

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.