Fox PB
Início » Não trabalhamos com auxílio emergencial em 2021, diz secretário de Guedes
Política

Não trabalhamos com auxílio emergencial em 2021, diz secretário de Guedes

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) — O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse nesta sexta-feira (28) que não trabalha com a eventual prorrogação do auxílio emergencial em 2021.

“Trabalhamos com essas despesas de combate ao coronavírus e às mazelas trazidas pela Covid-19 como contidas em 2020. Portanto, a discussão sobre o auxílio ainda estão em andamento e não trabalhamos com a extensão desse gasto em 2021, e sim contidos em 2020”, afirmou.

As declarações de Rodrigues são dadas após membros do governo passarem a considerar nos bastidores a extensão do auxílio até os primeiros meses de 2021, caso não fique pronto a tempo o Renda Brasil (programa em formatação pelo Ministério e que deve substituir o Bolsa Família).

O governo deve anunciar em breve a definição sobre o valor do auxílio emergencial, que foi liberado por cinco meses pela quantia de R$ 600 e será prorrogado até dezembro. O ministro Paulo Guedes (Economia) defendia uma mudança para R$ 200, mas auxiliares do presidente queriam um valor maior, de R$ 300.

Nesta manhã, o presidente Jair Bolsonaro falou a apoiadores no Palácio da Alvorada que o auxílio custa R$ 50 bilhões por mês e que o governo deve reduzir o montante.

“A gente prefere até o final do ano uma importância menor do que R$ 600. Tem cara já reclamando, o tempo todo assim. Isso não é aposentadoria, é uma ajuda emergencial. Sei que é pouco para quem recebe. Mas ajuda, pô, é melhor do que nada”, disse.

Caso estabeleça um novo valor, o Planalto precisará de um novo ato legal e o governo já estudava nas últimas semanas uma MP (medida provisória) sobre o tema. Isso porque a lei que rege o auxílio emergencial permite a prorrogação por ato do Executivo sem a necessidade de validação do Congresso, mas desde que fosse mantido o valor original de R$ 600.

A MP tem força de lei imediata, embora o Congresso possa mudar o valor durante a tramitação. Mas o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já sinalizou a Bolsonaro que o Congresso aceitaria o novo valor a ser proposto pelo governo.

“Nós [os congressistas] temos responsabilidade”, afirmou Maia neste mês. Segundo ele, a análise deve considerar o impacto da medida nas contas públicas.

O auxílio emergencial foi criado originalmente para durar três meses (tendo como base os meses de abril, maio e junho). Depois, o governo prorrogou por duas parcelas (julho e agosto). O valor de R$ 600 foi mantido em todo esse período.

Inicialmente, Guedes propôs parcelas de R$ 200 por beneficiário. O Congresso pressionou por um aumento para R$ 500, mas o valor acabou fechado em R$ 600 após aval do presidente Jair Bolsonaro.

O auxílio emergencial é a medida mais cara do pacote anticrise, e já demanda R$ 254,4 bilhões em recursos considerando as cinco primeiras parcelas.

FOLHAPRESS

Notícias relacionadas

Projeto de lei torna Dia da Consciência Negra feriado em Sumé

foxpb

Governador da Paraíba confirma presença em reunião do Consórcio Nordeste e no Fórum Abdib

foxpb

Câmara aprova, em primeiro turno, adiamento das eleições para novembro

Iago Bruno

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.