Fox PB
Início » Bolsonaro confirma R$ 20 bilhões para vacina, e diz que paciente terá que assinar ‘termo de responsabilidade’
Política

Bolsonaro confirma R$ 20 bilhões para vacina, e diz que paciente terá que assinar ‘termo de responsabilidade’

O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta segunda-feira (14), que irá assinar uma medida provisória (MP) liberando R$ 20 bilhões para compra de vacinas contra a Covid-19. Ele afirmou ainda que será editada outra MP estabelecendo a necessidade da assinatura de um termo de responsabilidade por quem foi tomar o imunizante.

— Eu devo assinar amanhã uma medida provisória de R$ 20 bilhões para comprar vacina — disse Bolsonaro, em conversa com apoiadores da porta do Palácio do Alvorada. — Tem outra medida provisória talvez amanhã. Não é obrigatório, vocês vão ter que assinar termo de responsabilidade para tomar. Porque a Pfizer, por exemplo, é bem clara no contrato: “nós não nos responsabilizamos por efeitos colaterais”.

O valor citado é mais de dez vezes maior do que o liberado para a compra da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca. Para 100 milhões de doses, o governo vai desembolsar R$ 1,9 bilhão.

Bolsonaro disse que a “responsabilidade” será da pessoa que tomar a vacina:

— Tem gente que quer tomar, então toma, a responsabilidade é tua. Se der algum problema aí, espero que não dê…

O presidente ainda questionou o período em que a vacina é capaz de proteger contra o novo coronavírus.

— Essa vacina agora, qual a validade dela? Você toma hoje e fica imune por quanto tempo? Daqui a quanto tempo você tem que tomar outra dose? Está custando agora para nós, no início, R$ 20 bilhões.

O presidente voltou a defender medicamentos ineficazes para o tratamento contra a Covid-19, reclamou do uso de máscaras e disse que quem está pegando a doença agora é porque “ficou em casa”.

— Quem está pegando agora é que ficou em casa. E outra, esse vírus vai viver conosco até morrer.

Além das doses da AstraZeneca o Brasil também tem acordo para aquisição de 42,5 milhões de doses do consórcio Covax, coordenado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). No Covax, a OMS disponibiliza vacinas à medida que forem aprovadas para uso, independente do laboratório desenvolvedor.

O governo também afirmou que o Brasil já está em negociação para obter 70 milhões de doses da vacina da Pfizer.

O plano de vacinação enviado pelo Ministério da Saúde ao Supremo Tribunal Federal (STF) diz ainda que o governo tem orçamento reservado para a compra de outras vacinas em fases de testes e cita 13 delas como “candidatas”, como a CoronaVac, do laboratório Sinovac, que será produzida pelo Instituto Butantan.

A CoronaVac é centro de uma disputa entre o governo de São Paulo e o governo federal. O governador do estado, João Dória, promete iniciar a vacinação em São Paulo no dia 25 de janeiro. A fixação dessa data gerou reação de governadores, como o de Goiás, Ronaldo Caiado.

O  Globo

Notícias relacionadas

Projeto do Senador Veneziano coíbe abusos e amplia financiamento de cursos superiores para estudantes carentes

foxpb

Após decisão do presidente do STJ, Queiroz deixa presídio no Rio para cumprir pena em casa

foxpb

Câmara aprova, em primeiro turno, adiamento das eleições para novembro

Iago Bruno

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.